28/11/2013

PEGN: 7 dicas para empresas que vão participar da Black Friday

Ocorre nesta sexta-feira, dia 29 de novembro, mais uma edição da Black Friday. A data é inspirada em uma promoção bastante famosa nos Estados Unidos – na última sexta-feira do mês, após o feriado de Ação de Graças, o setor varejista oferece grandes descontos. O Brasil importou o conceito e realiza a promoção na mesma data.

A primeira edição da Black Friday brasileira ocorreu em 2010. Desde então, a data vem ficando mais conhecida por consumidores e empreendedores, que querem aproveitar a ocasião para vender mais. Junto com a consolidação, vieram os problemas: a falta de experiência dos varejistas, aliada ao comportamento fraudulento de pessoas mal intencionadas, fez com que muita gente ficasse cética com relação à data.

Mesmo assim, a participação dos pequenos e médios negócios nesta Black Friday deve ser bem maior que nos anos anteriores. De acordo com Pedro Eugênio, fundador do site Busca Descontos e criador do site oficial da Black Friday, os pequenos devem corresponder a 20% dos 120 participantes. Nos outros anos, esse porcentual sempre ficou entre 5% e 7%. Vale ressaltar que esse número corresponde aos participantes ditos "oficiais" da promoção, aqueles que terão seus descontos divulgados no site oficial. No entanto, qualquer empresa pode oferecer descontos na Black Friday, estando ou não na página.

Pedro Eugênio, junto com Maurício Vargas, presidente do Reclame Aqui, e Gerson Rolim, diretor de comunicação da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net), listaram dicas para os empreendedores que vão participar da Black Friday neste ano.

Não tente lucrar na Black Friday – O lucro é essencial para o funcionamento de uma empresa, mas não pode ser o principal objetivo do setor na Black Friday .”O empreendedor tem que pensar em desovar o estoque e em conquistar novos clientes", diz Pedro Eugênio.

Cuidado com o estoque – Uma das principais reclamações dos consumidores nas últimas edições da Black Friday tem a ver com a demora na entrega dos produtos. Os atrasos ocorreram porque as lojas venderam quantidades maiores que seus estoques. Com isso, elas tiveram que pedir novos produtos aos fornecedores, o que trouxe mais tempo à entrega. "Para piorar, os pequenos e médios negócios têm uma desvantagem no contato com os fornecedores. A prioridade de reposição de estoque será dada aos grandes varejistas, que compram mais. Isso faz com que o atraso das pequenas lojas seja ainda maior", afirma o presidente do Reclame Aqui.

Não deixe o site sair do ar – Na Black Friday, não é o empreendedor que corre atrás do cliente – acontece exatamente o contrário. Essa procura do consumidor por oferta pode fazer o site cair. Por isso, quem tem uma plataforma de comércio eletrônico deve deixar seu servidor pronto para "segurar" o site em caso de picos de audiência.

Aproveite as vantagens frente às grandes empresas – Se os pequenos e médios se dão mal quando o assunto é a relação com fornecedores, eles têm algumas vantagens na disputa com as grandes empresas. Como é o consumidor que corre atrás das promoções, as campanhas de marketing das grandes – e que os pequenos nunca conseguiriam pagar – surtem menos efeito. Com um público-alvo menor, os empreendedores podem atender e fidelizar os clientes de forma mais fácil que as empresas maiores. "Por conta desses fatores, as pequenas e médias empresas são o futuro da Black Friday", diz Eugênio.

Mostre quais produtos têm desconto – Para tornar a relação com o consumidor ainda mais transparente, deixe bem claro quais produtos estão em promoção. Durante a Black Friday, os participantes não precisam baixar o preço de tudo, mas nem todo cliente sabe disso.

Facilite o contato com o consumidor – De acordo com Gerson Rolim, um dos caminhos para vender bastante e não ter reclamações é seguir a legislação do comércio eletrônico, em vigor desde maio. Uma das exigências desse código é que quem atua no e-commerce tenha um canal de comunicação eficiente com seus consumidores. "A Black Friday ainda está se tornando conhecida no Brasil e gera dúvidas. Os empreendedores devem destacar endereços de e-mail e telefone para auxiliar os compradores", afirma Rolim.

Mostre que você é honesto – Ser honesto é obrigação, mas não é todo mundo que mostra que age com integridade com seus clientes. Na Black Friday, esse marketing pessoal é ainda mais importante, levando em conta o comportamento questionável de algumas lojas nas edições anteriores. Uma das formas de mostrar que seu site de compras é confiável é conseguir o Selo Black Friday Legal, da camara-e.net. Só recebe o selo quem obedece a certos critérios de qualidade da entidade. Segundo Rolim, ainda dá tempo de conseguir a certificação. "Estamos fazendo um plantão e certificando os interessados até o meio dia de quinta-feira (28/11)", afirma.

Fonte: http://revistapegn.globo.com/Dia-a-dia/noticia/2013/11/7-dicas-para-empresas-que-vao-participar-da-black-friday.html

voltar

Cadastre-se e concorra agora mesmo.

*Campos Obrigatórios

Categorias